Record Label | Shop | Distribution

WB001 LP

The Brighton native, but now a Porto resident, Christine Fowler presents her debut Lp in the newly founded Wasser Bassin Label.

Recorded between 2007 and 2009, this is the 1st volume of C.Fowler ongoing project.

The title speaks for itself: a collection of untitled field recordings, nicely blended with some reworks of famous classical composers, such as: Franz List, Richard Wagner and George Enescu. According to the author’s own words: ” This project is an old ideia of mine – that of mixing found sounds, nature sounds, “random” sounds with actual music. I forced myself to bring a new perspective to a good but old sound, basically I tried to make Liszt play the piano like Morton Feldman would and make the Atlantic Ocean sound like a contemporary music ensemble. Actually, my goal wasn’t that hard to achieve, mainly because the means I chose to work with were already incredibly rich, soundwise. I just had to chop off what I didn’t find necessary… Like a surgeon removing a skin cancer … (sarcastic laughs)”Proveniente de Brighton, mas agora a residir na cidade do Porto, Christine Fowler apresenta o seu primeiro longa duração na recém-criada Wasser Bassin.

Gravado entre 2007 e 2009, este é 1º volume de um trabalho ainda em progresso.

O título do álbum deixa pouca margem a deambulações: tratam-se de gravações de campo mescladas com novas e pessoais interpretações de peças clássicas de autores, tais como: Franz Liszt; Richard Wagner e George Enescu. Segundo as palavras da autora: “Este projecto é já uma velha ideia minha que consistia em juntar sons dispersos, sons da natureza, sons “ocasionais” com música propriamente dita. Forcei-me por trazer uma nova perspectiva a um bom, mas já antigo som; basicamente tentei que Liszt tocasse piano como Morton Feldman tocaria e que o Oceano Atlântico soasse tal e qual uma ensemble de música contemporânea. Em boa verdade, o meu objectivo foi fácil de atingir, pois os meios escolhidos para trabalhar eram, em termos sonoros, bastante profícuos. Digamos que só tive de cortar o que era desnecessário… Tal como um cirurgião remove um cancro de pele… (gargalhadas sarcásticas)”

Share this post



Leave a Reply

Your email address will not be published.